Estratégias de Criação da FCI

ESTRATÉGIAS DE CRIAÇÃO DA FCI

  1. Introdução

O objetivo das estratégias de criação de cães é cães funcionalmente saudáveis ​​com uma construção e mentalidade típica da raça. Cães que podem viver uma vida longa e feliz para o benefício e prazer do dono, da sociedade e do próprio cão. A reprodução deve ser realizada de forma a que promova a saúde e o bem-estar da descendencia, bem como o da cadela. Conhecimento, honestidade e cooperação, tanto a nível nacional como internacional, é básico na criação de cães saudáveis. Os criadores devem ser encorajados a enfatizar a importância da combinação de cachorros, bem como a seleção do cão a usar para reprodução.
Os membros da FCI e os parceiros contratados devem realizar programas de educação para criadores, de preferência anualmente. A educação dos criadores é recomendada, em vez de rigorosos regulamentos de reprodução e exigências rigorosas em programas de melhorias. Tal acção, poderá resultar facilmente na redução da diversidade genética na raça, bem como na exclusão de excelentes representantes da raça e redução da cooperação com criadores conscienciosos. Criadores e clubes de raça devem ser encorajados a cooperar com cientistas em questões de saúde genética, para evitar a combinação de cães com linhas que resultarão em descendentes não saudáveis.
Qualquer cão usado para reprodução ou despistado para doenças hereditárias, deve ter identificação (chip ou tatuagem). Os criadores devem manter o padrão da raça como a orientação para as características específicas da raça; devem ser evitados exageros.
 

2. Somente cães funcionalmente e clinicamente saudáveis,

com conformação típica da raça, devem ser utilizados para reprodução; isto é, usar cães que não sofrem de doenças graves ou deficiências funcionais.

2.1 Se parentes próximos de um cão sofrem de uma doença hereditária ou deficiência funcional forem usados ​​para reprodução, eles só devem ser acasalados com cães de linhas com baixa ou nenhuma ocorrência da mesma doença ou deficiência. Se um teste de DNA para a doença / deficiência funcional estiver disponível, os reprodutores devem ser testados para evitar o acasalamento de dois portadores.

2.2 Os acasalamentos que, a partir da informação disponível, aumentam o risco de doenças graves ou deficiências funcionais ou comprometimento da descendencia, devem ser evitadas.

2.3 Somente cães com um temperamento correcto, típico da raça, devem ser usados ​​para reprodução. Isso é, usar apenas cães que não mostram sinais de distúrbios comportamentais sob a forma de reações de medo excessivo ou comportamento agressivo ou situações não provocadas que podem ser consideradas como situações cotidianas para o cão.

 

3. Para preservar, ou de preferência aumentar,

a diversidade genética da raça, deve ser evitada uma endogamina pesada. Acasalamento entre irmãos, mãe e filho ou pai e filha nunca deve ser realizada. Nenhum cão deve ter mais descendentes do equivalente a 5% do número de registos na população da raça num período de cinco anos. O tamanho da população deve ser considerado não apenas nível nacional, mas também internacionalmente.
 

4. Resultados de despistes (positivos ou negativos)

para a aparência fenotípica de doenças poligênicas deve estar disponíveis em registros abertos. Os resultados devem ser usados ​​para ajudar a seleção e combinação de cães reprodutores.
4.1 Os valores de reprodução baseados em resultados de triagem devem, sempre que possível, ser computadorizados para facilitar estoque reprodutivo não apenas na aparência enotípica, mas também na indicação genótipo. Como regra geral, o valor de reprodução estimado para uma combinação deve ser melhor do que a média da raça.
4.2 O rastreio só deve ser recomendado para doenças e raças onde a doença é mais alta impacto na saúde funcional dos cães.
 

5. Os resultados dos testes de DNA

para doenças hereditárias devem ser utilizados para evitar a reprodução de cães doentes, não necessariamente para erradicar a doença. Cães despistados como transportadores (heterozigotos) de uma doença recessiva hereditária só devem ser usados com um cão que esteja provado não ter o alelo para a mesma doença.

 

6. Qualquer cão deve poder se acasalar naturalmente.

A inseminação artificial não deve ser usada para superar as deficiências físicas do cão. Uma cadela deve ser excluída da criação se for incapaz de dar à luz naturalmente devido à anatomia ou inércia hereditária. Ou, se não cuidar dos cachorros recém nascidos, devido à mentalidade ou hereditária de agaláctia (sem produção de leite).
 
7. Problemas de saúde que não podem ser diagnosticados por testes de DNA ou programas de triagem devem ter impacto igual em programas de reprodução específicos.
 
8. Como regra geral, um programa de reprodução não deve excluir mais de 50% da raça; o o estoque reprodutor deve ser selecionado da melhor metade da população da raça.
 
9. A criação de cachorros, com alimentação correta, exposição ambiental, estimulação por parte da sua mãe, criadora e outros, para desenvolvimento do senso social, deve ser básica em toda a reprodução.
 
Estrategias de Criação

Estrategias de Criação